30/05/2006

Chiaroscuro

Os personagens chegam a Chiaroscuro, a maior cidade do sul. A parte exterior, mais nova, é um pouco melhor que um favelão. A parte velha é diferente, com ruas pavimentadas e prédios altos; verdadeiros arranha-céus feitos quase inteiramente de vidro.
Mas a cidade está arruinada. Os níveis mais altos dos prédios estão desativados, e só permanecem funcionando os andares debaixo. Alguns prédios estão circundados com linhas de sal, para os mortos-vivos não saírem(Helmholtz pensa: Por que a gente não fez isso na manse?).

Do outro lado da cidade vem Ludicris. Lifschitz retorna à cidade depois de ter fugido dela.
Hankel, Helmholtz, Kitiara e Tyrush entram numa taverna. Lifschitz também. Os quatro pedem um javali ao vinho. Lifschitz pede uma porção de calabresa. Enquanto eles esperam as suas porções, chega Ludicris e pede umacerveja. Algum tempo depois, chega o javali carregado por três caras. Lifschitze Ludicris obviamente percebem isso, junto com toda a taverna. Hankel come um terço. Helmholtz come os outros dois terços. Kitiara e Tyrush comem a parte bariônica. Kitiara repara que há exaltados na taverna e os descreve, tendo certeza de que não são DBs. Trata-se dos outros dois. Ludicris ouve tudo.

Todos ouvem um estardalhaço do lado de fora. Hankel sai para dar uma olhada. Helmholtz fica comendo. Lifschitz vai ao banheiro. Ludicris põe-se perto da porta, e desvia dela quando ela volta na sua cara depois de ser aberta por Hankel. Hankel vê a população fugindo de alguma coisa e vê uma meia dúzia deDBs bem armados chegando. Hankel volta à taverna e avisa os outros, que decidem ficar na taverna e esperar. Lifschitz pergunta ao taverneiro o que está acontecendo, e o taverneiro pergunta a Hankel. Após a resposta, Lifschitz põe uma faca à mão. Ludicris abre a túnica para alcançar a espada, caso precise.

Enrolando o débil mental
Helmholtz adverte Lifschitz para não segurar uma arma a fim de evitar uma briga. Para tranquilizá-lo, convida-o a juntar-se à mesa. Ludicris chega à mesa e pergunta se os DB estão atrás dele ou do abissal. Hankel cospe a cerveja. Kitiara puxa-lhe uma cadeira e fala para ele ficar sussa.

Ludicris conta por que os DB estariam atrás dele. Hankel esclarece-se sobre como ele sabia que todos ali eram solares, na frente de Lifschitz, que também revela sua condição.
O barman os ouve, e Kitiara e Ludicris percebem isso. Hankel vira-se ao barman e diz que ele pode ficar tranqüilo. Um DB entra no recinto, acompanhado de mais dois. Helmholtz come um pouco da calabresa. Não gosta. Hankel toma um gole de cerveja.

O DB identifica-se como da Wyld Hunt e começa a interrogar os presentes, começando por Lifschitz. Ao ouvir que ele é de Chiaroscuro, toma-o como intermediário no interrogatório. Kitiara o interrompe e o leva para fora, para conversar. Lá fora, diz que está fazendo parte de uma investigação. Para provar, mostra-lhe sua breastplate. Após uma discussão pouco amigável, o DB volta à taverna e pede retratos falados dos presentes, pondo-os em filas para fichá-los.
Lifschitz chega no DB e tenta dar um blá nele (Usando Harmonious Presence Meditation), dizendo que não faz sentido eles procurarem o culpado entre os que ainda não fugiram deles. O DB concorda imediatamente e vaza com os guardas.

Pegando a caneta do velho
Depois de perguntarem para onde vão os dois, todos decidem passar no antigo escritório de Lifschitz para pegar a caneta que ele esqueceu lá, depois devendo retomar a viagem para o leste. Lifschitz e Ludicris resolvem acompanhá-los em sua viagem ao leste. Helmholtz propõe-se a subir e pegar a caneta. No caminho, Lifschitz explica-lhe como achá-la. Ao chegarem, os dois entram para pegar a caneta, enquanto os outros quatro ficam jogando dominó do lado de fora.
Ao chegarem no escritório, Lifschitz procura uma maneira de pegar a caneta escondida na parede, enquanto Helmholtz percebe que tem uma Daiklave de jade na parede oposta. Decide pegá-la para Hankel, em troca de um arco muito bom. Depois de frustradamente tentarem abrir a parede para pegar a caneta, chamam Hankel para fazer o serviço. Ele abre um buraco na parede e não acha a caneta.

Enquanto isso, Lifschitz procura a caneta em outros lugares. Hankel arromba um cofre e acha a caneta lá dentro, junto com uma montanha de dinheiro. Helmholtz pega o dinheiro e Lifschitz pega a caneta. Hankel pega a espada e dispara o alarme.

Um monte de guardinhas se aproxima. Helmholtz sai pela janela. Hankel e Lifschitz tentam sair pela porta dos fundos e chamam a atenção de meia dúzia de guardinhas, decidindo espreitá-los para ir pro pau. Com flechas e facas, eles matam quatro, mas os que sobraram se cagam(literalmente) de medo e fogem espavoridos. Após juntarem-se ao grupo, todos vazam muito foda.

1 comentários:

  Namárië

ter jun 06, 04:18:00 PM 2006

Porra... Essa seção foi de foder!!!!!!!!!
Culpa dos dedos compridos nós vamos nos foder muito foda XD

=P